sexta-feira, 19 de maio de 2017

"Educar pressupõe sempre desagradar a criança" por Rosely Sayão

EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS
• SUPERPROTEÇÃO
• DESCONEXÃO DA REALIDADE
• EXCESSO DE ZELO
• DIFICULTA DESENVOLVIMENTO DA RESILIÊNCIA
• IMATURIDADE

ESTILO DE PAIS
• Neurose da insegurança
• Poupam os filhos dos afazeres domésticos
• Contra a escola-método/professor
• Excesso de compromisso
• Limite demais (não pode isso...)
• Formação de valores, da moral, da ética, dos princípios.

ESTILO DE FILHOS
• Infantilizados
• Descompromissados
• Distraídos
• Angustiados
• Impacientes/intolerantes
• Consumistas
• Sem resiliência
• Preguiça mental

Por falta de direção sofre uma criança, um adolescente;
Caminha para o bem-estar aquele que tem dirigentes preocupados em educar.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

"Linhas"

O caracol vai se arrastando e formando sua linha, desidratada.
Uma mulher vai desfilando, com seu terço, sua linha forma um círculo.
E a sombra que vai ficando no caminhar, a linha ora alonga ora encurta.
E a ponte que quebra, impedindo o caminhar, a linha arrebenta.
O cachorro que segue o rastro do bicho que corre e outro bicho que cruza o caminho e o faro fica perdido entre um bicho e outro bicho. Cadê a linha?
O cansativo desenrolar do novelo. Só linha.
A parede de vidro ilude o passante. E a linha do olhar?
Sobre o caminho as formigas carregam folhas, sob o caminho outros tantos caminhos. Duas linhas.
A linha que se alinha, na mesma hora, chegou a hora do blem.blem.blem. E o pêndulo na linha.
Caminho de encontro, desencontro, de achado e perdido, de estar só sentado à beira do caminho. Na linha.
E a linha que divide a terra em duas metades, quem está do lado de cima ou do lado debaixo.
Um linha que vira o mundo de cabeça para baixo, é só um momento para a bebedeira.
E o caminho da corda que faz girar o corpo do menino que pula. Que linha!
E a linha colocada no buraquinho da agulha que engana o olhar da vovó.
E a linha do exame cardiológico que sobe desce sem parar e se parar, a vida cala.
E linha puxada do caminho do homem por outro homem.
E o palhaço que sobe a linha do círculo sem parar.
O homem quebra a pedra no meio do caminho porque no meio do caminho tinha uma pedra. E a linha se arrebenta.
A mulher que varre a sujeira para debaixo da linha. A linha esconde.
O olhar que enxerga duas linhas, em qual delas pisar com certeza?
Debaixo da linha o grilo observa a linha da borboleta. Linha frágil.
A linha do tonto que se quebra a todo instante.
E o nó da linha que impede o homem de caminhar. Linha que desalinha.
E os gêmeos que se olham através das linhas. Linhas diferentes.
O dedo que fura a linha e cega o olho do homem. Linha da pipa.
Regar os pontos para se alinharem. Linha semente.
A corda bamba pode arrebentar a linha a qualquer instante. Lindeza.
E o ziguezague da flecha no ar. Linha cortante.
Os carros que perdem a linha e caem aos montes. Desalinhados.
A linha entre o mar, o ar e a terra. Limite da linha.
A linha que segura o homem. Nó da linha.
A linha que prende o cachorro. Linha fatal.
A linha que sobe e desce. Linha bamba.
A corrida para recolher a linha do anzol. Alinhavar o peixe.
A linha engolida e arrebentada. Que indigestão!
A linha da bala que passa pelo corpo do menino. Partiu-se a linha.
A linha que segura o tempo se enverga. Linha amadurecida.
As linhas que escrevem todo dia. Caligrafia.
A linha do pássaro no horizonte. Linha voadora.
A linha que circula rodopiando no ar. Bolinha
As linhas que se revoltam e buscam outros caminhos. Linha da adolescência
A linha que escapa do novelo. Linha sem carretel.
A linha que se enrola no novelo. Linha indiscreta.
A linha do corpo e da mente, apenas uma linha entre a loucura e a razão. É só uma linha na literatura, linha da emoção entrando em ação.

Texto escrito pela Coordenadora Pedagógica Eliana Aparecida Prata em 14 de maio de 2017.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Recomeçar

Acorde!
Perceba que o dia é único e só seu.
No horizonte, há paz, Deus, e fortaleza.
Recarregue-se de energia positiva
Seu coração é grande,
cabe nele um pouquinho mais
de amor, de carinho, de aceitação e de compreensão.
Acenda dentro de você a luz!
Educar é um ato de amor, de paciência,
de criatividade, de solicitude,
de firmeza, de abertura ao outro.
Interaja!
Então voe,
Seja uma águia,
lidere nas alturas em parceria
para se sentir melhor e mais confiante.
Descubra Deus dentro de você,
transfira-O aos que te rodeiam.
Feliz recomeço,
conte sempre comigo,
eu contarei contigo, combinado?

Texto escrito pela Coordenadora Pedagógica Eliana Aparecida Prata

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

"A magia do Natal"

Quando eu era pequena, todos os anos, quando chegava dezembro, lembro-me de olhar pela janela e desejar que flocos de neve caíssem, cobrindo a rua como se fosse um tapete branco encantado. Também ficava na esperança que Papai Noel atenderia a esse meu pedido. Claro que todos aqueles filmes americanos de natal que eu assistia só ajudavam a aumentar esse desejo, então por muito tempo escrevi cartas e mais cartas pedindo neve ao bom velhinho.

Os anos se passaram e, sem me dar conta, a infância se foi e com ela aquela garotinha perseverante que todos os anos aguardava a neve.

Logo descobri a geografia e a diferença de clima entre os hemisférios e então pude compreender a impossibilidade do meu desejo. Por consequência, deixei de escrever as cartas e passei a desacreditar no destinatário delas. Outra certeza infantil que se tornou descrença foi a de que os duendes arrumavam tudo em todas as casas, da árvore às guirlandas, então por isso passei a decorar a casa para o natal.

Aprendi também que os presentes não surgem de uma fábrica no Polo Norte e são distribuídos a todas as crianças do mundo de trenó, mas sim são comprados em lojas apenas por quem pode pagar por eles. Quanto mais o tempo passava, mais me tornava incapaz de ver as cores e a magia que se espalhava pelo ar, as quais pareciam tão reais em minhas memórias infantis.

Parei de venerar o natal como antes, passando a vê-lo apenas como qualquer data comemorativa fugaz e passageira. Perdi o brilho dos pisca-piscas e o interesse por brinquedos, passei a odiar as uvas passas e as apresentações de natal da TV que se tornaram motivadores das séries da Netflix.

Não que eu tenha passado a odiar o Natal, longe disso! Pelo contrário, ainda é meu feriado favorito. Apenas deixei de enxergá-lo como uma data mágica e especial que realiza sonhos e desejos.

Hoje me pergunto, como poderia eu, crescida, depois de tantas decepções, acreditar em contos fantasiosos? Então, pasmem, porque confesso que escolhi acreditar. Escolhi venerar o natal como as crianças e acreditar nos duendes e no Papai Noel de um modo diferente. Decidi enxergar as cores e as luzes que parecem mágicas no céu. E, o mais importante, escolhi alimentar aquela garotinha esperançosa que sonhava com a neve.

E, assim todos os anos, quando chega dezembro, eu olho para a janela, fecho os olhos e desejo meus flocos de neve, mesmo tendo a certeza da impossibilidade do meu desejo, os meus olhos infantis são capazes de ver a minha neve. Essa é a magia do Natal.




Texto escrito pela aluna Giovanna Cipriano - 2ª série "A" 

Professora responsável: Profª Drª Priscila Marques Toneli Priscila Marques Toneli

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

"Futuro liquefeito"

Quando éramos crianças e nos perguntavam o que faríamos quando crescêssemos a resposta vinha fácil, rápida e nos enchia de expectativas. Era fácil porque sabíamos que havia tempo, que o futuro era, apenas, um sonho distante. O que não sabíamos era que esse mesmo tempo passaria de forma tão veloz. Agora, o futuro bate em nossas portas e exige uma resposta definitiva, mas quem pode tê-la?

Heráclito de Éfeso estava correto, nada é estático ou definitivo. Não podemos nunca entrar no mesmo rio duas vezes, pois, como as águas, já não somos mais os mesmos. Tudo está em constante mudança, os desejos, os sonhos e as nossas próprias visões de mundo se alteram, o que queremos agora pode não ser a nossa vontade daqui alguns anos ou mesmo daqui décimos de segundos. Somos seres em transformação, essa que se impõe em cada período de transição seja da infância para a adolescência, seja, como agora, da juventude para a vida adulta.

A segurança da escola, da rotina e dos velhos amigos chegou ao fim e nos vemos obrigados a abraçar as incertezas e as mudanças porque elas são inevitáveis e, na verdade, vitais. Crescer é mudar, é se arriscar, sair do que já era comum e conhecido e ir de encontro ao desconhecido. Crescer é, simplesmente, a forma mais genuína do tempo nos mostrar que estamos vivos, de que nosso coração pulsa e exige que façamos desse tempo o melhor possível. Um ciclo só se encerra para que outro inicie e traga consigo a renovação e aceitá-la é aceitar viver.

Sair da nossa zona de conforto nunca é fácil, pede coragem e determinação, mas é essa atitude que nos permite crescer, pois é preciso ser destemido para aceitar as mudanças que a vida traz e para aprender com cada uma delas. O futuro não é estático ou algo já pronto, está sendo construído por cada atitude e cada passo que damos e pode ser alterado a qualquer momento. E, a meu ver, é isso que o torna interessante, portanto cabe a nós decidirmos se vamos nos esconder ou encará-lo corajosamente.

Texto escrito pela aluna Eduarda de Castro Lacerda - 3ª série "A"

Professora responsável: Profª Drª Priscila Marques Toneli Priscila Marques Toneli

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

"Uma grande guerra"

Talvez essa tenha sido a nossa grande ruína, o fato de querermos controlar mais do que devíamos. O fato de estarmos sempre travando uma grande guerra contra nós mesmos.

Naquele dia, eu travava minha grande guerra contra o impulso de ir até ele.

Eu estava falhando miseravelmente.

Era como se eu fosse aço e ele o ímã. Ou como se ele fosse ar e eu estivesse submersa em um oceano gigantesco por um tempo longo demais. Eu até poderia ser o anjo que era atraído pelo Sol. Mas o Sol queima, e minhas asas derretem e eu caio. Sou a própria imagem de Ícaro, caída, queimada e sem asas para poder fugir voando. Eu não posso fugir.

No instante em que o encontro, no canto da sala, observando-me arrumar meus materiais, com a minha aprovação queimando no bolso da calça - aprovação essa que fica a um oceano de distância -, meu coração pesa e eu agarro a pequena estrela, presa à corrente de ouro que ele mesmo me dera há um ano atrás.

E então eu fujo dele. Pego minhas coisas de forma desajeitada e trombo com seu corpo quando passo pela porta. Ele ia dizer meu nome, e tudo ia desmoronar. Minhas certezas iam desmoronar. Eu iria desmoronar.

Eu não podia, nem deveria fugir, mas eu fujo. Isso porque há somente duas certezas que sempre guardei comigo, minha vida inteira: desistir dos meus sonhos não é uma opção; e não há nenhum sonho para sempre.

Essas duas certezas foram a única coisa que me manteve firme quando tudo o que eu imaginava ser para sempre foi parar debaixo da terra, dentro de um caixão bem lacrado, e tudo o que quis foi desistir. “Desistir dos seus sonhos não é uma opção, filha.” - foi o que ela me disse, por isso decidi que nada, nunca, impedir-me-ia de dar o fora dessa maldita cidade na primeira oportunidade que tivesse.

Bem, foi isso; essas duas certezas que me motivaram a continuar, mas foi ele que segurou a minha mão durante todo o caminho.

Ele era um problema sem tamanho e eu não conseguia ficar longe. Na primeira vez que o vi foi na porta da escola, onde, também, aconteceu nossa primeira conversa. Se é que aquilo pode ser considerada como uma conversa. Ele estava sentado, a cabeça nas mãos, os cotovelos apoiados no joelho. Sentei-me ao seu lado e esperei. Esperei ele dizer alguma coisa, talvez um simples “oi”. Ele se virou para mim, depois de um tempo, os olhos azuis intensos, uma ruga entre as sobrancelhas, e me mandou ficar longe. Mas tudo o que eu fiz, foi chegar mais perto. Acho que uma parte de mim é extremamente viciada em tentar consertar coisas quebradas, ou talvez eu seja atraída por essas coisas pelo simples fato de que eu mesmo precisava de conserto.

No dia seguinte, o encontrei parado na porta de uma casa que não era bem minha, mas era onde eu passava as noites desde que tudo se tornou tão complicado. Ele disse que não servia para uma pessoa como eu, que tinha problemas demais, e eles se tornariam meus problemas se ele não se afastasse a tempo. Eu respondi que não me importava, não porque eu não sabia como aquilo doeria quando acabasse, mas porque uma parte louca dentro de mim ansiava que eu e ele fôssemos uma coisa real.

Ele só me beijou dias depois quando ele já havia se infiltrado em cada pedacinho meu, e eu havia deixado.

Eu soube que o amava no dia em que me levou a um parque e passamos horas e horas rindo, como se o mundo fosse simples. Como se fosse apenas eu e ele, e mais ninguém. Naquele instante eu quis viver, e ele era o responsável. Talvez, então, ele seja o meu sonho, mãe.

Mas o problema é que a voz dentro de mim sabe que nunca seria tão bom que nunca acabaria. O para sempre não existe, assim como ninguém é capaz de ficar por perto tempo o bastante para ser eterno.

Eu sei que o para sempre não existe, mãe, mas será que nem mesmo um meio termo poderia existir?

Provavelmente não.

Então, comecei a me despedir.

Isso faz parte da minha grande ruína, da minha grande guerra: ter que me despedir. Comecei me despedindo das memórias de uma vida que dali a uma semana não seria mais minha. Depois me despedi do céu, que de forma alguma seria tão claro e tão escuro ao mesmo tempo. Por fim, despedi-me das amarras pesadas que me mantinham ali. Não mais. Nunca mais. Mas ainda não me despedi dele.

O nosso problema sempre foi nossas grandes guerras. Não um contra o outro, mas as guerras que mantínhamos enclausuradas dentro de nós, rasgando tudo o que havia aqui dentro, com a vontade inerente de explodir para fora. Nós dois éramos problemas. Enquanto eu precisava sair desse lugar o mais rápido o possível, ele nunca poderia se ver livre. Ele estava preso, cuidando de assuntos que não deveriam perturbá-lo. Eu estava louca, alucinada, para deixar tudo e viver longe de amarras e pesos pesados demais para um coração que custava bater.

Não podemos controlar tudo, disso nós sabíamos, mas não aceitávamos.

Eram guerras grandes demais para só duas pessoas.

Não há para sempre - foi o que repeti a mim mesma para deixar todas as memórias. - Isso acabaria de qualquer forma - foi no que me obriguei a acreditar.

Deixar ir sempre foi uma das minhas grandes guerras.

Passo exatamente duas horas encarando meu reflexo no espelho. Trancada dentro do banheiro feminino, as mãos tremendo, os olhos vermelhos. Eu sei que preciso me despedir, sei que não posso simplesmente dar as costas e ir embora, por mais que esse seja o jeito fácil. Então o sinal toca. O último sinal do dia. Os passos e os gritinhos dos alunos ecoam pelo corredor. Minutos correm como água pelas minhas mãos abertas. Acho que em algum momento entre o agora e o dali mais dez minutos, eu choro. Eu não deveria chorar. Não é o meu fim, não podia ser. Em uma semana, minha vida só iria começar de novo, como deve ser. Vou ter passado toda essa fase insuportável de pessoas indo embora ou me decepcionando. Em uma semana, eu vou ganhar mais uma chance, e é tudo o que eu sempre quis. Mas choro assim mesmo.

Quando finalmente saio do banheiro, os corredores estão desérticos. O pátio azul está vazio. O prédio é apenas uma sombra, enquanto o deixo para trás.

Assim que chego à porta, que é tanto uma entrada, quanto uma saída, ele está lá. Na mesma posição em que o encontrei no primeiro dia que tive coragem de falar com ele. E é como se o primeiro e último dia se misturassem na minha cabeça. Então estamos de volta onde começamos, certo?

Ele ergue os olhos azuis para mim.

Ele se levanta.

Sou Ícaro e não posso evitar correr para os seus braços porque ele é o Sol, e eu sou fraca.

Mas não fraca o bastante para ficar.

Ficamos abraçados por tanto tempo e tão forte que até parece que o meu corpo é uma extensão do dele. Ele não diz nenhuma palavra enquanto estamos assim porque sabe que não seria justo. Ele sabe que eu quero ir embora, mas sabe que se pedir eu fico. Ele sabe que eu tenho medo de que isso que nós temos seja maior do que nós dois e nos devore por inteiro. Então ele fica quieto e só me abraça apertado.

Despedimo-nos na porta do colégio em que nos conhecemos, porque a vida agora seria fora e bem longe daquele portão de grades azuis.

Acho que, no final, a minha grande guerra era o medo tão grande do amor e das incertezas que acabei me ressentindo com qualquer amor que conseguisse. E fiquei sem nenhum.



Texto escrito pela aluna Luiza Aparecida Chaves Ranuzzi - 2ª série "B". 

Professora responsável: Profª Drª Priscila Marques Toneli